ICBAS - Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar
Uma saúdeNotícias

Grande Porto é a região com mais gaivotas no país

Área Metropolitana está a traçar plano para responder ao fenómeno. Só nas cidades junto ao Douro há mais de mil aves e a reproduzir-se.

Nunca tantas gaivotas habitaram o Grande Porto. Haverá entre 1186 e 1626 gaivotas a sobrevoar os céus da Área Metropolitana do Porto (AMP), de acordo com o Censo Nacional da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA). É o maior número de gaivotas em ambiente urbano do país. E com a reprodução das aves em crescendo, a tendência é para que os números continuem a subir. A maioria instalou-se no Porto, mas Matosinhos e Gaia também sofrem com o problema, que se traduz em riscos para a saúde pública. Está em elaboração um plano metropolitano para controlo da população de gaivotas, cujo relatório será publicado em breve.


Uma das medidas que podem estar em cima da mesa é uma eventual operação de retirada dos ovos dos ninhos. No entanto, tendo as gaivotas um ciclo médio de vida de 20 anos, o resultado desse trabalho demorará a revelar-se. “Nos finais dos anos 90, as gaivotas começaram a expandir-se para norte e exclusivamente para meio urbano. Quando se reproduzem num local com sucesso, voltam sempre”, nota Nuno Oliveira, técnico de conservação marinha da SPEA. A retirada dos ovos será sempre “um processo moroso, que requer recursos humanos e financeiros”, acrescenta, alertando que durante os primeiros três ou quatro anos de vida, as gaivotas não se reproduzem.


Fonte de Contaminação
O fácil acesso a alimentos é o principal motivo para a deslocação das gaivotas do Centro e Sul para o Norte do país e a sua reprodução incessante representa riscos para a saúde pública. É esse mesmo o alerta que faz Adriano Bordalo e Sá, hidrobiólogo e investigador do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS): “Têm, nos excrementos, as mesmas bactérias patogénicas que nós e são uma fonte clara de contaminação da água, dos solos, e de transmissão de doenças”.


“A explosão da disponibilidade alimentar”, quase “sem limitação”, conduz ao aumento da população de gaivotas, aponta Nuno Oliveira, que observa “um grande esforço na melhoria da gestão de resíduos e armazenamento temporário”. Também os desperdícios da pesca alimentam estes animais, particularmente graças à quantidade de peixe já morto que é devolvido ao mar.


“É alimento gratuito para as gaivotas. E há oito mil embarcações de pesca no país”, nota Nuno Oliveira. O primeiro passo, diz Bordalo e Sá, é o lançamento de “uma campanha para não alimentar as gaivotas, da mesma maneira que já houve uma para não alimentar os pombos”. Nuno Oliveira concorda.


Para decidir estratégias de combate ao problema, a AMP lançou, há dois anos, um concurso público, com um preço-base de 135 mil euros, para a elaboração de um plano de controlo da população. Esse trabalho estará no fim.


O último estudo, conhecido em 2011, apontava como uma das soluções a diminuição de alimento disponível.

Fonte: Jornal de Notícias
Texto: Adriana Castro

Notícias

Este site utiliza cookies para proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao continuar a navegar neste site está a consentir a sua utilização. Pode alterar as suas definições de cookies a qualquer altura nas definições do seu navegador. Ver mais