ICBAS - Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar

Plataforma vai permitir compreender a frequência e distribuição destes tumores em todo o país.

Com a plataforma ‘Vet-OncoNet‘ nasce o registo nacional para animais com cancro. Dois institutos da Universidade do Porto lançam esta plataforma que, ao “compilar informação sobre o registo oncológico” de animais de estimação, vai permitir estudar frequência, predominância e fatores de risco associados à doença em Portugal.

João Niza Ribeiro, coordenador da plataforma, explicou que esta surgiu da “necessidade de existir um registo o mais sistemático possível da oncologia animal”, designadamente, dos animais de estimação.

“Queremos que esta estrutura recolha dados produzidos nos laboratórios, nas clínicas e nos hospitais veterinários de maneira a existir uma sistematização dos mesmos”, frisou.

Desenvolvida pelo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) e pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), a plataforma vai assim permitir compreender a frequência e distribuição destes tumores em todo o país.

“Esta estrutura vai possibilitar saber a quantidade de cancros em território nacional, em que espécies é mais predominante, se está a aumentar e se está mais focado em zonas urbanas ou rurais”, exemplificou João Niza Ribeiro, membro da direção do ISPUP e docente do ICBAS.

Além de auxiliar a compreender a predominância, a plataforma, que foi elaborada sob o conceito ‘One Health’ (‘Uma Saúde’, em português) possibilitara também “estudar fatores de risco associados” à doença, mas também à saúde humana e ambiental.

“Pensamos que uma parte dos fatores que levam ao aparecimento de cancro são ambientais e esses fatores ambientais têm influência quer nos animais quer nos humanos. Há sempre interesse, ao estudar a sobreposição de áreas, perceber que pode haver ali fatores comuns e que, no fundo, os animais possam servir de sentinela”, frisou o investigador.

A esta plataforma poderão aceder médicos veterinários, proprietários de animais e laboratórios de diagnóstico veterinário, sendo que cada um terá um espaço próprio no site para submeter a informação recolhida.

À Lusa, João Niza Ribeiro adiantou que, posteriormente, a plataforma poderá também, “com outra finalidade”, tentar compilar dados sobre animais de produção.

“Nós temos um serviço de inspeção sanitária das carnes, que identifica e retira do consumo numa fase muito precoce todos os animais que não estejam saudáveis. Mas, o que não há, é uma sistematização desse registo, ou melhor, está sistematizado, mas não é tratado. Essa é uma das linhas potenciais que nós temos, isto é, podermos vir a estabelecer algum acordo com a Direção-Geral de Veterinária, no sentido de podermos aceder a essa informação”, concluiu.

Fonte: Rádio Renascença
Texto: Lusa
Foto: Alexis Chloe/Unsplash

Este site utiliza cookies para proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao continuar a navegar neste site está a consentir a sua utilização. Pode alterar as suas definições de cookies a qualquer altura nas definições do seu navegador. Ver mais